Verdade E Realidade Em Pesquisa De Mercado

Compreender as pessoas é uma das tarefas mais emocionantes e complexas que a humanidade enfrenta. Isso porque, ao contrário das ciências naturais e exatas, em que são estudadas disciplinas externas às nossas, estamos tratando de disciplinas que estudam. Em outras palavras, nas ciências que estudam o ser humano, é difícil deixar completamente de lado a empatia e a rejeição pelo que vemos refletido de nós mesmos nos outros.

Dentro do Marketing, os pesquisadores enfrentam a mesma complexidade. Pois também devemos enfrentar as percepções individuais e coletivas do que nos rodeia. As pessoas percebem sua realidade através dos sentidos tradicionais: paladar, olfato, tato, audição e visão; e pelos imaginários impostos pelos valores e preconceitos do mundo que possuem os grupos em que atuam ao longo da vida.

É por isso que podemos distinguir duas escalas de estudos em marketing. A realidade seria a parte objetiva, tangível e universal do mundo, comum a todas as pessoas. Por exemplo, as cores, as áreas, os volumes, a temperatura, a química das substâncias e mais características do nosso ambiente que normalmente são as mesmas em todos os lugares o tempo todo, pois são regidas exclusivamente por princípios e leis gerais.

Porém, essa realidade quando percebida pelo ser humano sofre alterações e apropriações que resultam em verdades sem fim. Cada testemunha da realidade assumirá o mundo de uma maneira específica. Existem estudos que nos dizem que diferentes culturas não possuem palavras para certas cores, medem o tempo com base em escalas de referência diferentes do usual e contam as coisas apenas se elas estão presentes ou não. Esses casos geralmente não são comuns nas grandes cidades de nossa época.

Em pesquisas convencionais realizadas em espaços assimilados pela globalização, as pessoas costumam compartilhar verdades alienadas pela mídia. Em parte, o imaginário do Ocidente domina o imaginário de muitos territórios: cânones de beleza, o ideal de vida familiar perfeita, o desejo de acumular muitas coisas, a luta pelas minorias e assim por diante.

Apesar desse processo de homogeneização, as verdades da comunidade regional e pessoal sobrevivem. Portanto, ainda não é possível estabelecer generalizações sobre os valores e ideias que a maioria das pessoas compartilha. Como se não bastasse, o que se acredita e é essencial hoje não o será amanhã. Não em vão, cada geração compartilha uma ideologia que não é comum àqueles que a precedem e sucedem. Essa complexidade delineada de maneira geral neste parágrafo nos ajuda a medir a complexidade de compreender as pessoas.

Para entender as verdades das pessoas, a pesquisa de mercado usa métodos qualitativos em termos gerais. Com eles, é possível indagar com mais eficácia sobre as verdades dos consumidores. Os analistas especialistas em técnicas qualitativas têm a preparação e a experiência necessárias para mergulhar naqueles temas que as pessoas vivem, reproduzem e socializam, mas que conseguem verbalizar ou expor de forma explícita e clara. Algumas das técnicas qualitativas mais utilizadas são entrevistas em profundidade, grupos de foco e etnografias.

Sabemos que a realização de estudos qualitativos envolve o enfrentamento de uma série de desafios. O principal deles é a diferença de recursos necessários para realizá-los com sucesso. Na Acertiva, contamos com especialistas e conhecedores da complexidade de entender e analisar as ideias que os consumidores possuem e que não podem ser aprofundadas com técnicas quantitativas. Envie-nos uma mensagem hoje para solicitar um orçamento. Estamos esperando para dizer como juntos podemos escrever sua próxima história de sucesso.