Continue esperando ou arrisque-se a sair: o dilema do fim do ano devido ao COVID-19

O meio de outubro já passou e a paciência se esgotou em muitos mercados e pessoas. COVID-19 testou a resiliência de todos. Quando as primeiras medidas foram impostas nos primeiros meses do ano, dizia-se que as limitações durariam pouco. No entanto, a contingência dá sinais de ter uma recuperação neste final de ano com as consequências que isso implica.

O nervosismo é mostrado como pânico e desânimo para alguns, pois sobreviver até aqui tem sido um verdadeiro desafio que colocou ao limite as capacidades e recursos dos Estados, empresas, famílias e indivíduos. Em vez disso, outros ainda veem oportunidades em meio a um ambiente incerto de muitas maneiras. Junte-se ao inimigo, diz um ditado popular. Diante do cenário difícil que se manterá, pelo menos durante todo o ano que vem, as opções disponíveis podem ser resumidas em duas alternativas.

A primeira delas é continuar com o confinamento e suspensão de atividades substanciais com o objetivo de que, quando essa situação acabar, toda a coragem, força, recursos e conhecimentos possíveis estejam disponíveis. O mais apto terá melhores chances de recuperação e desenvolvimento. Como se fosse uma semente antes da primavera. Esse caminho não está disponível para todos, pois requer economia para sobreviver neste inverno.

A segunda possibilidade é arriscar-se a quebrar o confinamento estrito, com as devidas precauções sanitárias. Essa alternativa é aquela que a grande maioria de nós adotou. COVID-19 não é a única doença que a humanidade enfrentou. Por este motivo, se a vacina ou o medicamento para esta doença ainda demora a estar ao alcance de todos, só falta continuar. O mundo continuará girando com ou sem nós.

Ambas as soluções não são mutuamente exclusivas e podem ser combinadas em graus diferentes dependendo da condição de cada empresa ou indivíduo. Hoje, a tecnologia permite que muitos continuem suas atividades produtivas, mantendo o distanciamento social, mas a tristeza e a frustração dominam o sentimento coletivo de qualquer maneira. Esta situação é mais aguda na LATAM.

O show deve continuar. Muitas pessoas já estão ocupando grande parte de suas vidas de mãos dadas com a obrigatoriedade do uso de máscaras, lavando constantemente as mãos e mantendo distância física adequada dos demais. Como essa experiência afetará as pessoas a médio e longo prazo? Essa questão pode ser resolvida por pesquisa de mercado. As pessoas querem ser ouvidas. E eles apreciam ainda mais ver que suas confidências e opiniões impulsionam as respostas das pessoas ao seu redor.

Não há mal que dure cem anos. Embora não seja a primeira crise que vivemos, é a primeira com esse grau de afetação e permanência no tempo que temos que enfrentar. É hora de mudar ou desaparecer. Na Acertiva podemos ajudá-lo a tomar as melhores decisões. Aproxime-se de nós. Teremos prazer em atender às suas preocupações e necessidades.

Deja una respuesta